quarta-feira, 26 de novembro de 2008

MANTO DA HUMILDADE



"Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.
Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.
Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós outros. Purificai as mãos, pecadores. e vós que sois de ânimo dobre, limpai o coração. Afligi-vos, lamentai e chorai. Converta-se o vosso riso em pranto, e a vossa alegria, em tristeza. Humilhai-vos na presença do Senhor, e ele vos exaltará." Tg 4.1-10

Saudades do final de semana que passou. Foram dias lindos, intensos e proféticos. Desafiador, posso dizer assim.

Minha foi desafiada, questionada e enfim respondida. Foram três dias. Sexta, sábado e domingo. O lugar? O mais impensado...rs. Por quê? Saberão o porquê.

Logo na sexta levantaram-se algumas barreiras, impecilhos... Foi impressionante como até mesmo na minha vontade, que era enorme em estar lá, algo começou a se mover. E pensamos que tudo isso é obra da carne... Mas se soubéssemos a destreza como o nosso "arqui-inimigo" age no mundo espiritual, pensaríamos duas vezes em nomear o desânimo que sentimos para ir em algum evento da igreja, como obra carnal.

Seminário de Batalha Espiritual, libertação, cura interior. A ministrante? Neusa Itioka. Uma paulistinha nissei, baixinha, uma senhorinha de quase uns sessenta anos. Invocada, precisa, sagaz e muito inteligente. Com uma autoridade digna de quem tem conhecimento de causa. E aliás, muito conhecimento. Com muita liberdade ela ministrou junto a sua equipe aos nossos corações e abriu uma porta, pelo menos na minha vida, na esfera espiritual que eu achei que nunca mais seria aberta. Mas eu não acho que algo aconteceu só apenas na minha vida. Eu sei que foram muitas vitórias em muitas vidas ali presentes.

Tinham cerca de quinhentas pessoas. A igreja era a Segunda Igreja Batista em São João do Meriti-RJ. Comigo estavam duas preciosas amigas. Deus colocou no meu coração o desejo de levar as duas comigo. Mísi Lenne e Talitha. Deus sabia o porquê das duas precisarem, tanto quanto eu, daquelas ministrações. As ministrações eram das 8h às 13h, a tarde eram ministrações individuais e a noite das 19h às 22:30h. Algumas pessoas foram escolhidas para serem individualmente tratadas. A Mísi Lenne foi uma delas. Ela realmente estava sentindo a necessidade disso. E foi tremendo, curador.

O assunto de batalha espiritual não tem sido entendido por muitos, que se chegam até mesmo a combater suas práticas, dizendo que se baseiam em heresias. Se o crente é uma nova criatura, dizem, como é que ele ainda pode ter demônios? Se Jesus já levou na cruz as maldições, por que ainda vou ter que quebrá-las?

Tais questionamentos são muito lógicos, porém não são verdadeiros, porque essas conclusões são tomadas de um incorreto entendimento das Escrituras.

Vamos começar com um exemplo bem prático, para que haja um melhor entendimento. Quando a Bíblia nos afirma em Isaías 53.4 que Jesus Cristo "levou sobre si nossas dores e enfermidades..." isso é algo consumado espiritualmente. O verbo no passado "levou" não indica passado em nossa vida neste mundo. Significa algo consumado espiritualmente e que eu, como crente, posso apropriar-me dessa benção. Se, por eu ser crente, isso já fosse uma realidade total em minha vida, eu então eu jamais ficaria doente! Mas não é assim. Todas as bençãos consumadas espiritualmente tem que ser apropriadas! É por isso que, tendo espiritualmente Jesus consumado na cruz a quebra das maldições, eu tenho que apropriar-me delas!

É por isso que, sendo eu espiritualmente uma nova criatura, tenho que apropriar-me disso também! Em outras palavras, tenho que apropriar-me da libertação de toda ação demoníaca na minha vida. Tenho que purificar a minha alma (cura interior). Tenho que orar para que as bençãos, que já foram espiritualmente dadas "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo" (Ef 1.3), eu as possa receber!

Você pode estar se perguntando, mas por que Satanás e seus demônios teriam direito de atuar na minha vida? Ele pode pode sim, trazer maldições e oprimir sob os vários graus de opressão. São inúmeros os textos bíblicos que nos demonstram que as maldições são decorrentes do pecado (Sl 107.17; Rm 2.9-10; Lm 5.7; Jo 5.14 etc), mas o texto fundamental acha-se em Deuteronômio 28.15 e vesículos seguintes:

"Será, porém que, se não deres ouvidos à voz do Senhor, teu Deus, não cuidando em cumprir todos os seus mandamentos e os seus estatutos que, hoje, te ordeno, então virão todas estas maldições sobre ti e te alcançarão..."

Neste texto Deus está declarando que as maldições alcançarão aqueles que não obedecem a Deus, que não cumprem os seus mandamentos; em outras palavras, Deus está autorizando aquele que é o agente das maldições -Satanás (e seus demonios) - a agir sempre que há pecado. Satanás recebe aqui este direito.

No caso de , que era homem íntegro e reto diante de Deus, Satanás nada podia fazer contra ele, tanto assim que Jó era muito próspero. Satanás somente pôde agir como agiu depois de ter recebido uma concessão especial dada por Deus, e de forma limitada. Este é o caso da provação, que Deus permite para o nosso bem (Tg 1.12; Rm 8.28). Assim, todo pecado constitui uma brecha que dá direito à ação de Satanás em nosso homem natural. O que devemos fazer então?

O apóstolo João, em sua primeira carta nos afirma:

"Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós memos nos enganamos, e a verdade não está em nós. Se conferssarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça." (I Jo 1.8-9)

Nossa atitude deve ser a confissão. Note que João não está falando a incrédulos, mas a crentes. Este não é um texto evangelístico, é para nós, crentes. Por que temos que confessar, nós que já somos salvos? Não é para a salvação, e sim para que haja purificação em nosso homem natural (processo de santificação da nossa vida). E quando somos purificados, cessa o direito legal de Satanás, pois ele só pode agir quando existe impureza (pecado). A purificação torna alvas as nossas vestes espirituais, e ele não poderá mais agir. Por isso a Palavra nos exorta a manter sempre alvas as nossas vestes e a estarmos sempre cheios do Espírito Santo (Ec 9.8).

Diariamente, sem cessar, devemos levar ao Senhor o nosso pedido de perdão por qualquer falta que nos venha à mente pelo Espírito Santo.

Quanto aos nossos pecados cometidos antes da nossa conversão, se ainda não o fizemos, temos que pedir perdão, cancelando todo direito de Satanás; e também expulsar de nossa vida qualquer espírito maligno que tenha obtido o direito de agir, em decorrência daqueles pecados.

Se como crentes, nunca confessarmos e nem renunciarmos os pecados do passado, temos que fazer isso passando um "pente fino" para nos apropriarmos de uma completa purificação em nosso homem natural. E, daqui para a frente, temos que manter a nossa vida em pureza e santidade.

"O mesmo Deus da paz, vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vida de nosso Senhor Jesus Cristo." (I Ts 5.23)

São muitos os doentes dentro da igreja. Pessoas convertidas, mas que não foram libertas e carregam fardos pesados, antigos, oriundos de uma vida passada e cheia de brechas para a atuação demoníaca. Por isso é necessária a mudança do quadro geral em que se encontra a Igreja, a Noiva do Cordeiro, preparando-a para a volta do Senhor, ministrando a cada crente a sua purificação e libertação, e curando também as enfermidades físicas e as feridas da alma.

Este é o ministério de libertação e cura interior. Temos que viver em constante oração (I Ts 5.17), com ações de graças (I Ts 5.18), enfrentando a cada dia os nossos verdadeiros inimigos, e usando toda a armadura de Deus (Ef 6.10-18).

Podem me martirizar por tudo que escrevi aqui. Não é algo muito aceito, principalmente dentro dessa visão limitada de tradicionalismo em que se encontram as igrejas. Isso aqui não anula o poder da cruz de Cristo e nem muito menos a obra completa de salvação, renegeração através do sangue de JESUS. Isso só nos direciona a apropriação de toda a herança que nos é dada por direito, pela adoção da paternidade de Deus.

Verdades precisam ser esclarecidas! Se toda a igreja ministrasse isso... Tudo seria muito diferente e em todas as áreas, financeira, sentimental, psicológica, familiar, sexual, ministerial, física e espiritual.

"Sede sóbrios e vigiliantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge , procurando alguém para devorar." (I Pe 5.8)

E por que Pedro nos iria alertar desse modo se o diabo não pudesse nos atingir?
Em conclusão, muitos não estão vivendo uma vida em abudandância porque não se apropriaram das bençãos que Jesus conquistou na cruz.

Eu me apropriei! E você?

"No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes. Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos, e por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho, pelo qual sou embaixador em cadeias; para que possa falar dele livremente, como me convém falar." (Ef 6.10.20)

Eu me revesti do manto da humildade e me humilhei perante a mão do Senhor... Mesmo nos púlpitos, pregando, me sinto indigna por mim. Mas digna porque o sangue de Jesus me dá esse direito!


10 comentários:

Sara disse...

eh graaande, mas eu li tudinho! uaehuaehauea

ótimo texto... esclarece muitas coisas, parabéns cunhada!
e sempre o msm elogio: vc escreve mt bem! auheuaehue
=P

bjs

Juliana Santos disse...

ötima mensagem.Parabéns por se esforçar em transmitir...
Eu me apossei....
Forte abraço
Ju

Ariele disse...

Mt bacana....
adoro ler esses texto do seu blog
alem de vc escrever mt bem !
trasmiter coisas boas...
beijos laininhaa

Arí

Filipe disse...

Você tem sido impactada com um novo tempo e um verdadeiro avivamento em sua vida e ministerio, ainda bem que existe esse blog né, pois assim compartilhamos dessas bençãos juntos rs ...

Bjos...

Tati disse...

Amiga...
Como jah te falei estou com uma inveja santa de vc.. hhahaha
queria muitoter ido... com certeza seria bom pra mim...
Mas atravez das suas palavras eu pude ver o quanto Deus é bom.. e sentir um pouco do que foi...
Fico feliz por vc.. Feliz mesmo..
Vc é um canal de benção na minha vida... amo vc!!!

Bju

Hállan Nunes disse...

AAAAAAAAAAAiiiiiiiiiiii, keria ter idoo!!!!
Mas vou ter outra oportunidade!
Realmente é tremendo !
Kero a apostila emprestada, tah !


Bjs, Deus t abençoe !

Charles disse...

Parenta to virando fã em :P...

Ah dicerto ira rolar um post du missionario escoces neh?!

....scotland for Christ.... HAUHAHAHH

Fica na paz du Mestre

Nandah disse...

Glória a Deus!
Seria tão bom se todos soubessem dessas verdades. Eu tenho uma noção de Batalha Espiritual e já li alguns livros da Rebecca Brown e do casal Daniel e Isabela Mastral... São ótimos livros sobre Libertação e cura interior.
Que o Senhor esteja contigo amada.
E quando tiver outro Seminário com a Neusa me dá um tok ok? =)
Gostaria muito de ir.
Abração!
=)

ofbaf disse...

Queridos (as), quanto heresia!

Graça e Paz!

Vocês não sabem o que o apóstolo Paulo diz, em Romanos 8.1:
"Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus."?

Bolas, NENHUMA, entenderam?
Se você está em Cristo, não há maldição que por ELE não tenha sido quebrada!!!
Ao será que estão tentando invalidar o sacrifício de Cristo?

Lembrem-se que Jesus nos adverte:
"Respondeu-lhes Jesus: Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus." Mateus 22.29

Saudações Cristãs!

ofbaf disse...

Este é um texto um pouco longo, mas se alguém tiver um pouquinho de paciência para ler, tenho certeza que aprenderá muito.

Site: http://www.lideranca.org/cgi-bin/index.cgi?action=viewnews&id=360

A Quebra de Maldições é Bíblica?
Publicado em 24/07/06 às 15:24

Por Augustus Nicodemus Lopes

Uma das tendências do movimento de "Batalha Espiritual" é adicionar à obra de Cristo uma complementação feita por peritos em maldições. É ensinada claramente a necessidade de se quebrar as maldições hereditárias e de se anular compromissos que ficaram pendentes com o diabo, mesmo após a pessoa ter sido convertida a Cristo. Ensina-se que herdamos as maldições que acompanharam nossos antepassados, por causa de seus pecados e pactos demoníacos, e que precisamos anulá-las.

Êxodo 20 e Ezequiel 18

Geralmente o texto usado para defender este ponto é Êxodo 20.5, em que Deus ameaça visitar a maldade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração dos que o aborrecem. Entretanto, ensinar que Deus faz cair sobre os filhos as conseqüências dos pecados dos pais, é só metade da verdade revelada.

A Escritura nos diz igualmente que se um filho de pai idólatra e adúltero vir as obras más de seu pai, temer a Deus e andar em seus caminhos, nada do que o pai fez virá a cair so¬bre ele. A conversão e o arrependimento individuais "quebram", na existência das pessoas, a "maldição hereditária" (um efeito somente possível por causa da obra de Cristo). Este foi o ponto enfatizado pelo profeta Ezequiel em sua pregação ao povo de Israel da época ( leia cuidadosamente Ezequiel 18 ). A nação de Israel havia sido levada em cativeiro para a Babilônia, e os judeus cativos se queixavam de Deus dizendo "Os pais come¬ram uvas verdes e os dentes dos filhos é que se embotaram...” (Ez 18.2b) - ou seja, "nossos pais pecaram, e nós é que sofre¬mos as conseqüências". Eles estavam transferindo para seus pais a responsabilidade pelo castigo divino que lhes sobreveio, que foi o desterro para a terra dos caldeus. Achavam que era injusto que estivessem pagando pelo pecado de idolatria dos seus pais. Usavam um provérbio da época, que nos nossos dias seria mais ou menos assim: "Nossos pais comeram a feijoada, mas nós é que tivemos a dor de barriga...”.

Através do profeta Ezequiel, Deus os repreendeu, afir¬mando que a responsabilidade moral é pessoal e individual di¬ante dele: "A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai... " (Ez 18.4b, 20). E que pela conversão e por uma vida reta, o indivíduo está livre da "maldição" dos pecados de seus antepassados (ver 18.14-19). Esta passagem é muito importante, pois nos mostra de que maneira o próprio Deus interpreta (através de Ezequiel) o significado de Êxodo 20.5. Ou seja, o segundo mandamento prevê a visitação do juízo divino sobre os descendentes de homens ímpios, descen¬dentes estes que aborrecem a Deus como seus pais. Várias passagens no próprio Pentateuco deixam claro que a retribui¬ção divina sobre os filhos dos que aborrecem a Deus é desconti¬nuada a partir do momento em que estes filhos se arrependem de seus próprios pecados, e os confessam a Deus, confessando igualmente os pecados de seus pais, como Levítico 26.39-42.

Encontramos a mesma idéia em Nm. 14.13-34. Nesta passagem vemos claramente como a misericórdia e a longanimidade de Deus atuam em conjunto com sua justa ira contra os rebeldes e pecadores. Após a revolta do povo de Israel contra Deus, inflamados pelo relato desanimador dos dez espias incrédulos, o Senhor Deus condenou aquela geração incrédula a perecer no deserto. Seus filhos haveriam de levar sobre si as infidelidades de seus pais, até que estes morressem (v.33), após o que, os filhos entrariam na terra (v. 31). Aplicando aos nossos dias, fica evidente que o crente verdadeiro já rompeu com seu passado e com as implicações espirituais dos pecados dos seus antepassados, quando, arrependido, veio a Cristo em fé.